ODD comemora 7 anos com estrela ascendente do techno e novidades

Um dos principais projetos do cenário eletrônico underground paulistano traz Anastasia Kristensen pela 1ª vez ao Brasil; local inédito terá 2 pistas e performances visuais indo além

Dentro do conceituado circuito de música eletrônica underground de São Paulo — de festas itinerantes com proposta transgressora, que permitem um espaço de livre expressão radical —, a ODD certamente é protagonista. Idealizado por Márcio Vermelho (ou somente Vermelho), Davis e Zopelar (três nomes que já eram mais do que notáveis à época), o projeto está celebrando agora seus sete anos de existência com uma programação especial.

Depois de dois anos de restrições pandêmicas e edições de retorno em janeiro e fevereiro, a ODD comemora em abril mais um ciclo com muito vigor e inovação. No próximo dia 30, a partir das 22h, em locação inédita — uma antiga fábrica de brinquedos na Barra Funda —, Vermelho, Davis, Zopelar e os outros DJs residentes (Frontinn e Martinelli) recebem a DJ e produtora russa/dinamarquesa Anastasia Kristensen, o americano OSAGIE e os brasileiros Ananda, Cherolainne, Delcu e Young Clubber, que estarão todos distribuídos em duas pistas de dança (open air e galpão).

Nova estrela ascendente do techno europeu

Nome em ascensão no circuito europeu nos últimos três ou quatro anos, Kristensen tem se destacado por um techno mais colorido e uma presença de palco cheia de luz e energia, que contrastam com o clichê blasé e soturno do estilo. Sua confiança em seguir caminhos fora do comum fazem dela uma artista imprevisível e ousada, casando perfeitamente com o espírito da ODD.

A partir dessa aura irresistível e do talento para entreter e produzir, chegou a colaborar com nomes como Daniel Avery e Com Truise, chamar a atenção de marcas como Boiler Room, Resident Advisor e DJ Mag e tocar em eventos e clubes como Awakenings, Afterlife, Movement, EXIT Festival, Berghain e Bassiani.

Apesar de já ter se apresentado em toda a Europa e levado seu brilho de Bogotá a Tóquio, Anastasia nunca tocou no Brasil anteriormente.

“Estou feliz de tocar na ODD porque é um evento lendário no Brasil e é a minha primeira vez no país. Espero por muita música eclética e uma vibe pra cima, mas descolada e maligna. Mal posso esperar para tocar!”, declarou.

Nova proposta em performances e visuais

Foto: Rafael Morse/Divulgação

Além dos DJs, os performers têm papel fundamental nos rolês da ODD, e esta edição de sete anos deixará o game ainda mais interessante. Normalmente restritas aos palcos, as performances e as instalações visuais passam a ocupar novos espaços e ambientes, se espalhando e descentralizando — o que já vinha sendo testado neste ano.

Junto às residentes Aun Helden e Katrevosa, Enco reforça o time das artes corporais, enquanto L.Pitzs é o responsável pelas projeções visuais, e Julio Parente, pelas luzes. Além disso, Aun levará à pista principal do evento o segundo ato de sua trilogia “Eternidade” — o primeiro foi apresentado no último sábado, 09, em instalação na SP–Arte.

Revivendo a história e mirando o futuro

ODD
Foto: Rafael Morse/Divulgação

“Durante todos esses anos, a ODD se consolidou de forma única através de suas manifestações artísticas: música, luz, performances, artes gráficas, intervenções e experimentações diversas. A curadoria musical/visual é um ponto alto, com muitas atrações que marcaram edições memoráveis e traduzem a diversidade sonora, com uma identidade própria”, conta Vermelho, salientando alguns dos pilares que têm garantido tamanha longevidade: soundsystem de primeira linha, curadoria e a busca por uma experiência distinta e profunda, que também coloca o público como protagonista — remetendo às raízes da cultura clubber.

“A primeira ODD em formato 24 horas, com Daniel Avery e Massimiliano Pagliara, foi um desses momentos singulares, assim como a primeira edição de rua, realizada na Ponte das Bandeiras. Os convidados internacionais que já passaram pela festa conseguem definir bem o espírito do nosso tempo e proposta. Alguns deles: Legowelt, Job Jobse, Steven Julien, Fort Romeau, Toulouse, Low Trax, Rødhåd, Octo Octa e Dixon, entre tantos outros”, relembra.

Já Davis reflete sobre os desafios superados ao longo de toda a história do projeto, e acha incrível “chegarmos em 2022 com uma proposta de olhar para o futuro”:

“A trajetória da ODD me traz uma mistura de sentimentos, de orgulho, gratidão e otimismo, e um anseio de trazer novos talentos que vão contribuir com a proposta artística para os próximos anos. O que eu espero pregar nessa edição é essa combinação — o melhor do que já fizemos até agora somado ao que acreditamos que podemos fazer de melhor nos próximos anos”.

Serviço:
ODD 7
Local: Rua Moisés Kauffmann, 156 – Parque Industrial Tomas Edson, São Paulo – SP
Atrações: Anastasia Kristensen, Ananda, Cherolainne, Delcu, OSAGIE, Young Clubber, Vermelho, Davis, Zopelar, Frontinn e Martinelli (som); Aun Helden, Katrevosa, Enco, L.Pitzs e Julio Parente (visuais)
Data: 30/04 (sábado)
Horário: A partir das 22h
Ingressos: 2º lote a partir de R$ 90,00 via Sympla

Similar Articles

Instagram

Advertisment

Most Popular